Casos de Otite Externa disparam no Verão! Previna-se.

10 de janeiro de 2013

Durante a estação mais quente do ano fica difícil resistir a um bom banho de praia ou piscina para aliviar o calor do verão. No entanto, estas atividades extremamente prazerosas e comuns nos meses quentes podem favorecer a um aumento de inflamações e infecções no ouvido. O calor e a umidade são os principais responsáveis por estas situações, que ultrapassam o dobro de casos registrados em outros períodos do ano.

A incidência de otite externa, infecção que atinge o canal externo do órgão auditivo  torna-se a queixa de maior incidência dentro dos consultórios médicos otorrinolaringológicos. Sabemos que o contato excessivo com a água e a umidade são as principais causas das infecções nesta época.

12 de novembro de 2012

A comunicação humana é o fator mais importante da evolução de um ser. Para que a mesma aconteça de forma clara e eficiente, dependemos de uma série de fatores individuais, econômicos e sociais ; que associados integralmente ou parcialmente, resultam no sucesso deste processo. Em relação ao indivíduo especificamente, o organismo tem de estar funcionante de tal forma, que consiga criar condições para que a comunicação seja efetivada.

Um dos mais importantes processos da comunicação humana é o da audição. É principalmente pelas orelhas que as informações e consequentemente o aprendizado se concretiza. A ausência parcial ou total da audição pode gerar importantes consequências à vida do homem. Possuir uma audição normal é o ideal. Porém por várias razões esta situação pode não existir em sua perfeição. Doenças congênitas, traumas diversos, infecções, ruídos intensos, dentre outras causas, podem levar á surdez parcial ou total às pessoas.

18 de outubro de 2012

Avanços na pesquisa genética estão revelando uma face totalmente desconhecida da gagueira. Discretas mutações em três genes que regulam um processo celular básico (GNPTAB, GNPTG e NAGPA) estão por trás de mais de 3 milhões de casos de gagueira em todo o mundo. Antes de esse subtipo vir à tona, nunca uma falha metabólica hereditária havia sido imaginada como possível causa do distúrbio.

A partir da identificação dos primeiros genes associados à gagueira, os cientistas estão tendo a possibilidade inédita de compreender os fundamentos bioquímicos do distúrbio e de descobrir grupos de neurônios especialmente sensíveis ao defeito metabólico causado pelas alterações genéticas.  

Esse novo patamar de compreensão da gagueira está habilitando os cientistas a rastrear o distúrbio no nível dos neurônios individuais e ampliando consideravelmente as possibilidades de pesquisa. Em breve será possível explicar em detalhes bioquímicos o que leva o cérebro a produzir gagueira e que tipo de altera